quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Fome


Instala-se a gula
A fome imensa
Alimentada pela imaginação
De quem já provou
De quem conhece os sabores
Sentiu as texturas
Enebriou-se com as formas
Fecha-se os olhos
E a imagem repete-se incessantemente
Torna-se presença agitadora
Toma conta do corpo
A boca saliva traduzindo a urgência
A fome corrói
A gula comanda
Somos, assim, meros escravos do desejo
Ilustres marionetas do que nos alimenta
Do que queremos ser alimentados.


6 comentários:

  1. Como animais, existimos apenas com dois propósitos; Sobrevivência e perpetuação, sendo que o segundo se sobrepõe ao primeiro!
    Logo, não será de estranhar que essa "Gula" nos comande...

    O problema é que somos um pouco mais do que meros animais e a gula, essa fome que corroi e nunca está satisfeita, choca tantas vezes com o que de mais elevado nós somos...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão Gil. Para uns o choque resulta na preponderância da "gula", para outros no "mais elevado". O equilíbrio nem sempre acontece e nem sei mesmo se será desejável.

      Eliminar
    2. O equilíbrio é mais que desejável!
      Mas deve ser um equilíbrio dinâmico, não estático!
      Como diz o velho adagio, "Uma Senhora à mesa e uma puta na cama" que pode ser traduzido em género como "Um cavalheiro à mesa e um animal na cama", penso eu!
      Há um tempo para tudo! E até o bom livro o afirma...

      LOL

      :)

      Eliminar
  2. E há até quem escreva blogs para perpétuar essa fome... ;)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há pois! Blogs, livros, músicas, guiões para filmes, na própria pele... um mundo sem fim :)))

      Eliminar

- As críticas são bem-vindas, sobretudo as inteligentes
- Opiniões, sugestões, declarações, informações e tudo o resto cabem aqui.
- O que não cabe? Má educação, insultos ou publicidade descarada a outros sites e/ou blogs, tipo spam.
- Respondo a todos menos a anónimos(as)