terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Língua


Sem querer ver
ou sequer falar.
É com a língua que te descubro,
precorrendo o corpo procurando recantos,
provando a variedade oferecida,
humedecendo reentrâncias.
Molhada, inquieta, maleável,
como uma sonda curiosa,
uso-a como se fosse chave-mestra
para entrar em lugares recênditos,
em pedaços proibidos.
Sem ver,
sem falar,
cheirar ou tocar,
conheço-te mais do que nunca,
testo-te mais do que o aconselhável,
invento-te mais do que imaginava.
Identifico texturas, coloco-as no teu mapa,
Catalogo sabores, assinalo-os na memória,
Meço temperaturas, percebo-lhes as intenções.
Lambo-te como se fosses iguaria,
Lambo-te porque te chamas pecado,
porque te chamas gula,
porque me fazes mortal.

6 comentários:

  1. A língua pode ser o fio condutor de tanta coisa. Numa questão sensual é sem dúvida o fio condutor principal... tanto nas emoções como nos sentires mais profundos
    Poema muito excitante e sedutor
    Abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fio condutor é uma boa designação. Gostei.

      Eliminar
  2. é Como dizes.
    não me oferece dizer mais nada

    ResponderEliminar
  3. A língua sente e faz sentir . E é assim que deve ser.

    ResponderEliminar

- As críticas são bem-vindas, sobretudo as inteligentes
- Opiniões, sugestões, declarações, informações e tudo o resto cabem aqui.
- O que não cabe? Má educação, insultos ou publicidade descarada a outros sites e/ou blogs, tipo spam.
- Respondo a todos menos a anónimos(as)